Blog

Carro Movido a Sol da OMS marca presença no Smart City Curitiba

Smart City Curitiba

O Carro Movido a Sol da OMS Engenharia esteve presente no Smart City Curitiba, em parceria com o Grupo L8. O Smart City é reconhecido como o maior evento do segmento de cidades inteligentes do mundo. A versão brasileira do congresso internacional aconteceu nos dias 21 e 22 de março de 2019, no Expo Barigui.

Originalmente, o congresso acontece anualmente em Barcelona, na Espanha. Ele acontece também em algumas cidades do mundo. E tem o objetivo de promover um debate sobre o desenvolvimento das cidades na era digital. O congresso em Curitiba proporcionou aos participantes conhecer novas tecnologias, além de permitir novos negócios.

Por que Smart City Curitiba?

Não é para menos que a capital paranaense foi escolhida como sede no Brasil para Smart City 2019. Curitiba, através do movimento Vale do Pinhão, vem ano a ano se transformando em um polo gerador de soluções urbanas inovadoras.

O movimento promove ações de cidades inteligentes e foi criado pela Prefeitura de Curitiba, por meio da Agência Curitiba de Desenvolvimento. Além disso, o Vale do Pinhão envolve várias secretarias municipais e ecossistemas de inovações na capital paranaense: universidades, aceleradoras, incubadoras, fundos de investimento, centros de pesquisa e desenvolvimento, startups, movimentos culturais e criativos.

Todo esse trabalho feito pela Prefeitura de Curitiba tem proporcionado grandes conquistas à cidade. Lentamente, a capital paranaense vem se transformando em uma cidade inovadora. Com isso, vem desenvolvendo caminhos inovadores para resolver antigos e novos problemas decorrentes do crescimento dos centros urbanos. Essas soluções inteligentes integram os curitibanos com o desenvolvimento tecnológico e a sociedade. Além de trazer congressos como o Smart City para Curitiba, todo esse movimento proporciona uma evolução na economia e, paralelamente, aumenta a qualidade de vida dos curitibanos.

O que são cidades inteligentes

As cidades hoje nunca estiveram tão cheias. Há duzentos anos, somente Londres e Pequim tinham mais de um milhão de habitantes. Hoje são mais de 442 cidades no mundo que possuem essa quantidade de pessoas. O movimento mundial das cidades inteligentes veio para tentar resolver, por meio das tecnologias, parte dos problemas enfrentados pela grande concentração urbana.

O movimento investe no conceito de “internet das coisas”, em grandes quantidades de informações (Big Data) e na Governança Algorítmica para encontrar soluções visando aprimorar a infraestrutura urbana, dar mais sustentabilidade, melhorar as condições de existência das populações, fomentar as economias criativas e tornar os grandes centros mais eficientes e melhores de se viver.

“Soluções tecnológicas para cidades estão sendo criadas em todos os cantos do mundo, desde por pequenas empresas e indivíduos a multinacionais e governos”, afirma Anthony Townsend, diretor de pesquisa do Instituto para o Futuro, em Palo Alto, Vale do Silício.

Em benefícios das cidades e da qualidade de vida da população dos grandes centros, uma das tecnologias que mais tem crescido nos últimos anos é a das energias limpas, mais precisamente a energia fotovoltaica.

Energia fotovoltaica

Como muito falamos no Blog da OMS, a energia fotovoltaica já é uma realidade no Brasil e no mundo. Par se ter uma ideia, a estimativa de crescimento da produção dessa energia para 2019 é de 44%, segundo a Associação Brasileira de Energia Solar (ABSOLAR). As estatísticas mostram que, ano a ano, os brasileiros se interessam mais por energias alternativas. Os interesses vão desde a economia com energia a investimentos visando um futuro muito promissor, com retorno de generosas possibilidades de rendimento. Mas a energia solar não está só presente em instalações de casas e empresas. Ela está também ligada a meios de transporte, que também geram uma alta economia. Como por exemplo, o carro Movido a Sol da OMS, presente no Smart City Curitiba.

O Carro Movido a Sol da OMS Engenharia – um ano comemorado no Smart City Curitiba

Smart City Curitiba

 

Em 2016, a OMS engenharia desenvolveu o projeto Carro Movido a Sol, que começou a rodar em março de 2018. “A ideia era e é mostrar para toda as empresas e à população que a energia fotovoltaica já é uma realidade e pode ser usada, com grande economia, não só em casas, mas também em automóveis. Nós possuímos um sistema de energia fotovoltaica instalado em nossa empresa. Além dele diminuir consideravelmente as despesas com energia elétrica da OMS, ela também alimenta o Carro Movido a Sol. Podemos dizer que o custo do combustível para o Carro Sol é reduzidíssimo. Em torno de 4 reais para cada 120 quilômetros rodados” – explica o engenheiro-eletricista Osmar Nascimento Costa, sócio da OMS Engenharia.

Para viabilizar o projeto, a OMS comprou um carro elétrico e implantou um sistema solar no veículo, que aumenta a autonomia em 15%. Desde então, o Carro Movido a Sol tem circulado pela cidade de Curitiba. Nas ruas da capital, as pessoas param, olham, fazem gracejos e sempre querem saber mais sobre “o carrinho”. No evento Smart City não foi diferente. Muitos participantes se aglomeravam em volta do veículo para o conhecer de perto.

Mostrar o Carro Movido a Sol no Smart City foi possível graças à parceria com o grupo L8, distribuidora de sistemas fotovoltaicos que disponibilizou um espaço no seu estande para expor o Carro Sol.  Mas não foi somente o carro elétrico da OMS que esteve presente no congresso. Já que o lema era as inovações das cidades inteligentes que promovam bem-estar para a sociedade, outros carros elétricos também estiveram presentes

Carros elétricos no Smart City Curitiba

A montadora Renault, como referência em carro elétrico na Europa, levou vários exemplares.  Dentre eles, estava o Zoe. Carro que já é vendido na Europa pelo preço de um Clio a gasolina. O valor dele no continente europeu é de 17 mil euros. Aqui no Brasil, custa 150 mil reais. Sim, ele ainda está muito caro. Se formos comparar, para comprar o Zoe na Europa precisaríamos de 20,68 salários mínimos de Portugal, que é o país onde o salário mínimo é mais baixo. No Brasil, esta proporção seria de 157,23 salários mínimos.

De acordo com Silvia Barcik, diretora executiva da Renault, esse valor todo é pela quantidade de impostos cobrados na importação.

“São 155% em cima do valor da importação. A Renault ainda não produz o Zoe no Brasil. Essa importação é, na verdade, para sentirmos o mercado.

Na Europa, em determinados países, há um incentivo fiscal do governo. Eles dão 5 mil euros para quem comprar um carro elétrico. Nesses países, há uma preocupação muito grande com o meio ambiente e no fomento de energias limpas. No Brasil, nós estamos no caminho. As políticas fiscais, pouco a pouco, estão surgindo.

As novas tecnologias são um caminho sem volta. Toda nova tecnologia, no seu início, é caríssima. Mas com inovações e atualizações ela vai ficando mais barata e acessível. Carros elétricos é um caminho sem volta”, diz Silvia.

Sim, cidades inteligentes, indústria digital, carro movido a sol, casas inteligentes, energias limpas, energia solar, energia eólica e muito mais são as tecnologias do presente e do futuro. Porém, tudo tem um começo. E o começo dessa grande transformação da humanidade é a criação de espaços para discussão, congressos e feiras como o Smart City Curitiba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.