Blog

Projeto as built: os problemas que sua empresa pode enfrentar se não tiver um

projeto as built

Sem projeto as built, plantas elétricas ficam desatualizadas, dificultando crescimento e alterações futuras.

A expressão inglesa as built significa “como construído”. O projeto as built, portanto, é aquele que representa exatamente como as instalações elétricas de uma edificação ficaram após reforma, alteração ou construção.

É de extrema importância para indústrias e empresas. Isso porque elas necessitam frequentemente de ampliações ou alterações no layout de suas instalações elétricas.

Quando essas alterações não são anotadas num projeto as built, qualquer manutenção ou ajuste se torna complexo. Até mesmo o crescimento pode ser um problema.

Como é feito o projeto as built elétrico?

O projeto as buit das instalações elétricas é feito a partir do levantamento das medidas atuais da edificação. Com elas é elaborada uma planta onde desenhos técnicos representam os trajetos e localização de todas as estruturas elétricas/dados/voz/cftv, etc… São desenhados, por exemplo:

  • Geradores.
  • Transformadores de alta para baixa ou média tensão.
  • Quadros de distribuição de energia. Exemplos: quadro geral de baixa tensão (QGBT) e quadros que alimentam outros setores e máquinas.
  • Cabos condutores que levam a energia dos quadros para os diversos circuitos, tomadas e pontos de consumo.
  • Tomadas e pontos de consumo ou estações de trabalho.
  • Luminárias e pontos de iluminação.
  • Eletrocalhas / eletrodutos e outras infraestruturas.
  • Cabeamento Estruturado (metálico, óptico) etc.

Todas essas estruturas são desenhadas no projeto as built, tal como estão na edificação.

Aplicações e vantagens do projeto as built

A correta anotação dos componentes, trajetos e circuitos do sistema elétrico é fundamental para a realização de manutenções. Também para a correção de problemas. Com o as built, é possível saber, por exemplo:

  1. Onde estão disjuntores de um departamento que precisa de manutenção?
  2. Qual quadro distribui energia para o setor que será ampliado?
  3. De onde vem a eletricidade que alimenta máquinas ou computadores com mau funcionamento?
  4. Qual o trajeto daquele circuito que está causando choques e fuga de corrente?
  5. Qual componente está causando elevação na conta de luz?
  6. Como ajustar o layout da fábrica para ligar novos equipamentos?

A elaboração de uma planta atualizada é fundamental para alterações em processos comuns ao crescimento de empresas e indústrias. Com o as built, a aquisição de máquinas e equipamentos pode ser planejada sem transtornos ou sobrecargas. Os layouts podem ser remodelados e adaptados devido à existência de anotações consistentes da planta elétrica.

O projeto as built também documenta o desenho final de uma reforma ou execução de instalações elétricas. Isso ocorre quando o projeto original sofre alterações durante o andamento da obra, o que é bastante comum. Da planta original, surgem várias plantas com alterações. E a planta final, que representa a obra tal como foi construída, é o projeto as built.

 Um exemplo real de as built

A reforma elétrica (ou retrofit) da Sorvetes Bapka, na região de Curitiba, foi um caso que evidenciou a importância do projeto as built. Você pode ver como foi realizado o retrofit neste vídeo aqui.

O importante é salientar que a empresa cresceu e precisou de máquinas novas. O sistema elétrico ficou sobrecarregado, a conta de luz aumentou, havia quedas de energia e perigo de curtos-circuitos. Até mesmo as manutenções eram difíceis. Não havia anotação de disjuntores, circuitos, quadros.

A OMS Engenharia realizou uma reforma geral na indústria. E ao final da obra, tudo foi documentado num projeto as built. “Durante a execução desse projeto, o cliente detectou que havia outras necessidades e surgiram novas demandas. Então, durante a obra foram feitas algumas readequações do projeto executivo original. Após a finalização desses projetos, nós fizemos o as built com as correções feitas durante a obra. Assim o cliente vai ter documento atualizado de toda a sua instalação” – explica Mauro Nascimento Costa, diretor da OMS.

Para a Sorvetes Bapka, o as built é garantia de evitar contratempos. “Nessa área temos que repensar que, no dia a dia, você acaba descobrindo algumas coisas que não estava prevendo dentro da estrutura” – diz Luiz Varela, presidente da empresa.

A documentação técnica feita pelos engenheiros da OMS no projeto as built  é um caminho para o crescimento organizado da Sorvetes Bapka. “Fizemos tudo dentro de uma tecnologia moderna, dentro de conceitos mais moderno, para que a gente possa crescer sem ter problemas nos próximos anos. Ter sobra de energia, ter sobra de rede para que isso tudo não nos ocasione mais os problemas que tivemos na última temporada” – diz Varela.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.